OBRIGAÇÕES CONVERTÍVEIS: Conheça o Instrumento Financeiro que lhe permite ser Credor e Dono de uma Empresa

Obrigações são papeis emitidos por organizações qualificadas para o efeito, que dão aos seus detentores (investidores, aqueles que os adquirem) direito de receberem pagamentos na forma de juros/cupão em datas específicas e a receberem de volta o capital investido na maturidade ou vencimento do contrato.

Partilhar Postagem pelo /

OBRIGAÇÕES CONVERTÍVEIS: Conheça o Instrumento Financeiro que lhe permite ser Credor e Dono de uma Empresa
Finanças

27/06/2023 às 04:14 | Visualizações 0

O Plano de Recapitalização e Restruturação do Banco Económico prevê a emissão de 50 mil milhões de kwnzas em Obrigações Convertíveis com maturidade de até 10 anos.

Emissão de obrigações convertíveis, as matemáticas financerias e os aspectos contabilísticos


O que é obrigação?


Obrigações são papeis emitidos por organizações qualificadas para o efeito, que dão aos seus detentores (investidores, aqueles que os adquirem) direito de receberem pagamentos na forma de juros/cupão em datas específicas e a receberem de volta o capital investido na maturidade ou vencimento do contrato.

Do acima exposto, pode se depreender que ao comprarem obrigações de uma empresa, os investidores não ganham o direito de reclamarem parte do património líquido da empresa emissora dos papeis, nem a empresa emissora desiste de parte do seus patrimónios a favor daqueles que adquirem as obrigações.

Aqui diz-se que a empresa fez um financiamento não patrimonial e, como tal, assume passivo, contrariamente ao que acontece quando emite acções e faz um financiamento patrimonial, abdicando de parte do seu património líquido a favor daqueles que adquirem os títulos. Entretanto, há um tipo de instrumento financeiro que reúne as características de obrigação e de capital ao mesmo tempo...os chamados instrumento financeiros híbridos. Um destes instrumentos são as obrigações convertíveis. É um título com duas componentes, uma de dívida e outra de capital.


Obrigações convertíveis


São instrumentos obrigacionistas que dão aos seus detentores a opção, mas não a obrigação (esta obrigação é do emissor) de converter as obrigações em acções, saindo de simples credor para accionista e tendo direito de reclamar parte do património líquido da empresa que emitiu as obrigações. Como podem ver, uma obrigação convertível tem duas componentes, a dívida e a opção de conversão de dívida em capital.

As obrigações convertíveis são convertidas em quantidades previamente definidas. Grosso modo, a quantidade de acções que um conjunto de obrigações convertíveis dá é igual ao rácio entre o seu valor nominal e o preço de conversão, previamente definido.

Por exemplo podemos definir um preço de conversão de kz 200 por valor nominal de kz 1000 por obrigação.

Assim, 1000/200=5 seria o número de acções que o detentor da obrigação passaria ter em caso de exercer a opção de conversão de obrigações em acções.

 

Pode a emissão de obrigação melhorar o património líquido de um banco? 


Sim, em duas situações:

I.  Se a obrigação for subordinada e apresentar as caracterísitcas definidas no Aviso 8/21 do BNA, acaba por relevar no apuramento de fundos próprios regulamentares mesmo estando registado nos passivos em balanço;

II. Se for uma obrigação convertível e a entidade emissora faz relato de acordo com as IAS/IFRS. No relato de acordo com o US GAAP, e.g, as obrigações convertíveis são passivos, e, como tal, não melhoram os capitais próprios de uma entidade...apenas provêm mais liquidez à instituição. Resolve o tema da liquidez, mas não da solvabilidade.

 Mas voltemos à situação em que a entidade emitente relato à luz das IAS/IFRS. Neste caso a obrigação convertível é desdobrado em duas componentes, uma de dívida e vai para o passivo, e outra de capital (que é igual ao valor da opção de conversão), que vai para o capital próprio e melhora a situação patrimonial.

O valor da componente de capital é igual a diferença entre o justo valor da Obrigação convertível (valor recebido) e o justo valor da componente de dívida, ambos à data da emissão. 

Por exemplo, imaginem que o Banco económico emita essas obrigações convertíves nas condições abaixo:

1.Valor nominal 50 mil milhões, emitidos ao par;

2. Juros/cupão de 15% ao ano;

3.Maturidade de 10 anos;

4.Títulos semelhantes, mas não convertíveis, à data pagam 19% de juro/cupão ao ano;

 Teríamos um justo valor da obrigação, na data de emissão, no valor de 41 mil milhões (Pode usar a função Preço/Yield do excel para calcular o valor presente de todos os fluxos da obrigação. Deve usar os 19% como taxa de desconto).

Assim, o valor da obrigação convertível seria 50 mil milhões, ao passo que o valor da componente de dívida seria 41 mil milhões. A diferença entre aquele e este seria o valor da componente de capital, pelo método residual.

Nas contas do banco teríamos:

Dr. Disponibilidade --- 50 mil milhões

Cr. Passivo por obrigações --- 41 mil milhões

Cr. Capital -------------------------9 mil milhões 

OBS: O passivo por obrigações estaria mensurado subsequentemente ao custo amortizado e o mapa do custo amortizado estaria calculado tendo como taxa de juros efectiva a taxa de 19%, que é a taxa de mercado à data de emissão e apuramento do justo valor da componente de dívida da obrigação.

 

Porque é que o Banco emitiria obrigações convertíveis


·       -  Para levantar capital e fundos a um custo mais barato em relação a emissão de obrigações não convertível.

·        - A obrigação convertível, por conferir ao investidor a opção de converter obrigação em acções, fica mais barata porque desconta essa opção, hipoteticamente.


Porque é que alguém investiria em obrigações convertíveis?


A partida, obrigações convertíveis são tão arriscadas quanto as não convertíveis, mas pagam menos. Então porque adquiri-las?

·       - Pelo privilégio de ter o poder discricionário de o converter em capital a um preço previamente definido.

 Normalmente investe em obrigações convertível quem tem expectativa de ver valorizada futuramente as acções da empresa emitente, por exemplo.

 

Sui Generis

Relacionados

Finanças

14 Oct, 2020

PASSOS PARA IMPLEMENTAR A EDUCAÇÃO...
Finanças

27 Oct, 2020

O 3° IMPACTO INDIRECTO DERIVADO DO...
Finanças

08 Feb, 2020

SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL: QUAL DEVERIA...